Notícias

Montebelo Aguieira Lake chega ao mercado!


    Acaba de chegar ao mercado um novo aldeamento turístico, que promete ser um novo conceito de habitação, turismo e lazer, promovido pelo Grupo Visabeira e comercializado em exclusivo pela rede imobiliária Century 21 Portugal. Em causa está o Montebelo Aguieira Lake Resort & Spa, cujos imóveis podem ser adquiridos em regime de habitação própria, ou para investimento em ativos imobiliários, com regime de exploração turística, a partir de 200 000 euros.

    Integrado na Barragem de Aguieira, entre Coimbra e Viseu - junto ao leito do rio Mondego - o complexo habitacional está implantado numa área de 462.000 metros quadrados (m2) sendo composto por 152 habitações, que variam entre apartamentos de tipologias T1 e T2, moradias em banda T2 e T3 e amplas villas T4.

   "Os imóveis integram técnicas de construção de qualidade superior e um criterioso planeamento de localização, em enquadramentos privilegiados e diversificados, que asseguram uma implementação sustentável do empreendimento, na sua envolvente natural", revela a Century 21 Portugal em comunicado.

     O empreendimento é dotado de vários serviços, infraestruturas e equipamentos, dos quais se destacam o acesso a floresta privativa e lagos, piscina panorâmica, spa, ginásio, courts de ténis, circuito de manutenção, parque infantil, restaurante, bar com esplanada, segurança e recepção 24 horas por dia e estacionamento.

​​​​​​​Fonte: Idealista

Novas Leis trazem alterações no Imobiliário

Novas Leis trazem alterações no Imobiliário


A partir de 1 de outubro de 2019 entra em vigor uma alteração ao IMI - Imposto Municipal sobre Imóveis que coloca um ponto final a nível do sigilo das cadernetas prediais de terrenos confinantes. Quer isto dizer que os advogados e solicitadores vão voltar a poder consultar os documentos matriciais das parcelas vizinhas dos seus clientes. E será que este “odiado” imposto sobe em 2020? A proposta de revisão do coeficientes de localização começou a ser analisada e deverá chegar ao Governo até ao final de outubro, para que se aplique a partir do próximo ano.

Depois de aprovadas pelo Parlamento em Julho, e de promulgadas pelo Presidente da República em agosto, as alterações ao regime Sociedades de Investimento e Gestão Imobiliária (SIGI) também já foram publicadas em Diário da República. Têm agora luz verde para seguir a “velocidade de cruzeiro” depois de ter sido clarificada a sua atividade principal: a aquisição de imóveis para arrendamento - ou seja, destinar pelo menos 75% dos ativos em carteira a esta atividade. As alterações aprovadas procuram salvaguardar um cenário de diminuição da oferta do mercado de arrendamento habitacional ou agravamento dos preços. 

Fonte: Idealista


A partir de 1 de outubro de 2019 entra em vigor uma alteração ao IMI - Imposto Municipal sobre Imóveis que coloca um ponto final a nível do sigilo das cadernetas prediais de terrenos confinantes. Quer isto dizer que os advogados e solicitadores vão voltar a poder consultar os documentos matriciais das parcelas vizinhas dos seus clientes. E será que este “odiado” imposto sobe em 2020? A proposta de revisão do coeficientes de localização começou a ser analisada e deverá chegar ao Governo até ao final de outubro, para que se aplique a partir do próximo ano.

Depois de aprovadas pelo Parlamento em Julho, e de promulgadas pelo Presidente da República em agosto, as alterações ao regime Sociedades de Investimento e Gestão Imobiliária (SIGI) também já foram publicadas em Diário da República. Têm agora luz verde para seguir a “velocidade de cruzeiro” depois de ter sido clarificada a sua atividade principal: a aquisição de imóveis para arrendamento - ou seja, destinar pelo menos 75% dos ativos em carteira a esta atividade. As alterações aprovadas procuram salvaguardar um cenário de diminuição da oferta do mercado de arrendamento habitacional ou agravamento dos preços. 

Fonte: Idealista

É o resultado de um estudo do portal imobiliário Imovirtual através de um inquérito ‘online’ a 14.998 pessoas residentes em Portugal, feito entre Abril e Setembro de 2018, que elegeu Viana do castelo como o melhor, Vila Real no segundo lugar, e Viseu no terceiro lugar.

O estudo considera a região do Norte como a melhor para se viver, e a do Alentejo a pior.

Os distritos foram avaliados, de acordo com 12 fatores: Segurança, Limpeza, Qualidade do ar, Silêncio, Transportes Públicos, Lojas e Restaurantes, Espaços de Lazer, Estabelecimentos de Ensino, Espaços de Saúde, Custo de Vida em geral, Acessos e Estacionamento.

Ao nível da segurança, Viseu obteve a melhor classificação entre todos os distritos.

Fonte: Estação Diária

É o resultado de um estudo do portal imobiliário Imovirtual através de um inquérito ‘online’ a 14.998 pessoas residentes em Portugal, feito entre Abril e Setembro de 2018, que elegeu Viana do castelo como o melhor, Vila Real no segundo lugar, e Viseu no terceiro lugar.

O estudo considera a região do Norte como a melhor para se viver, e a do Alentejo a pior.

Os distritos foram avaliados, de acordo com 12 fatores: Segurança, Limpeza, Qualidade do ar, Silêncio, Transportes Públicos, Lojas e Restaurantes, Espaços de Lazer, Estabelecimentos de Ensino, Espaços de Saúde, Custo de Vida em geral, Acessos e Estacionamento.

Ao nível da segurança, Viseu obteve a melhor classificação entre todos os distritos.

Fonte: Estação Diária

Viseu é o terceiro melhor distrito do país e o mais seguro

Viseu é o terceiro melhor distrito do país e o mais seguro

Novo crédito para compra de casa atinge novo máximo

Novo crédito para compra de casa atinge novo máximo

Os bancos emprestaram mais de 4,9 mil milhões de euros às famílias para a compra de casa no primeiro semestre deste ano, valor que representa uma subida de 3% em relação a igual período do ano passado. Este é também o valor mais elevado desde o primeiro semestre de 2010, altura em que a nova concessão de crédito à habitação ultrapassava os 5 mil milhões de euros.

Os dados foram divulgados, esta terça-feira, 13 de agosto, pelo Banco de Portugal, que dá conta de que os bancos nacionais emprestaram 849 milhões de euros para a compra de casa no mês de junho. Considerando o acumulado dos seis primeiros meses do ano, a nova concessão de crédito para esta finalidade totalizou 4.931 milhões de euros
.


Fonte: Jornal de Negócios

Os bancos emprestaram mais de 4,9 mil milhões de euros às famílias para a compra de casa no primeiro semestre deste ano, valor que representa uma subida de 3% em relação a igual período do ano passado. Este é também o valor mais elevado desde o primeiro semestre de 2010, altura em que a nova concessão de crédito à habitação ultrapassava os 5 mil milhões de euros.

Os dados foram divulgados, esta terça-feira, 13 de agosto, pelo Banco de Portugal, que dá conta de que os bancos nacionais emprestaram 849 milhões de euros para a compra de casa no mês de junho. Considerando o acumulado dos seis primeiros meses do ano, a nova concessão de crédito para esta finalidade totalizou 4.931 milhões de euros
.


Fonte: Jornal de Negócios

Venda ou arrende o seu imóvel!

Notícias

Subscrever
Subscrever
Subscrever

Subscrever Newsletter

Sede em Viseu
Rua do Palácio do Gelo, n.º 1
Palácio do Gelo Shopping, Piso 3
3500-606 Viseu, Portugal

+351 967 848 484

ATENÇÃO Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.

AceitarComo configurar